Estímulo infantil na medida certa é desafio







Entender como funciona o desenvolvimento cognitivo das crianças é fundamental para garantir os estímulos certos para cada idade. Se elas forem exigidas em tarefas para as quais ainda não estão preparadas, podem desenvolver um quadro de ansiedade e depressão infantil. Por outro lado, caso sejam pouco estimuladas, podem apresentar um déficit de autonomia. O segredo para encontrar a medida certa está no conhecimento e no bom senso, defende Fabio Barbirato, chefe da psiquiatria infantil da Santa Casa da Misericórdia e autor do livro "A mente do seu filho: como estimular crianças e identificar distúrbios psicológicos na infância" (Editora Agir).

— Cada criança se desenvolve de forma diferente, influenciada pelo ambiente em que ela cresce. É importante conhecer o seu limite e ter bom senso. O ideal é não hiperexplorar, mas dar à criança espaço para fazer o que é necessário para se desenvolver.

Uma criança com déficit de autonomia tende a se tornar um adolescente com pouca capacidade de planejamento e de execução de metas. O conhecimento a que Barbirato se refere é sobre o desenvolvimento neurobiológico do ser humano e como ele se reflete no nosso processo de aprendizagem e nas interações sociais. Um bebê recém-nascido, por exemplo, tem a capacidade de desenvolver empatia e comunicação visual, o que se manifesta por sorrisos.

— Isso deve ser estimulado desde cedo. Por isso, a amamentação é importante, não apenas pela saúde, mas pela empatia e o afeto entre mãe e filho — explica Barbirato.

O ser humano começa a se desenvolver cognitivamente no primeiro dia de vida e só encerra esse processo quando morre. A convivência com outras crianças é importante, inclusive as mais velhas, para garantir os estímulos sociais. Mas os pais precisam se lembrar de não sobrecarregar seus filhos ou exigir que eles se comportem como adultos em miniatura.

A capacidade da criança de prestar atenção também evolui com o tempo. Até os 2 anos, a atenção é controlada por estímulos do mundo externo. Entre 2 e 5 anos, ela passa a ser voluntária, mas ainda muito voltada para o que está a seu redor. Só a partir dos 6 anos é que a criança passa a ter total controle para decidir no que vai focar sua atenção.

Fundamental para as relações sociais, a forma como percebemos a existência das outras pessoas também muda conforme amadurecemos. Nas primeiras idades, os bebês se dão conta da existência de outras pessoas e estabelecem relações de empatia. Até os 4 anos, sabem que os outros também têm consciência de sua presença. E, a partir dos 5 anos, se tornam capazes de entender o que as pessoas dizem a seu respeito — nesta idade as crianças reagem à implicância dos colegas, por exemplo. Por isso, não adianta querer que seu filho de 2 anos controle o impulso de morder o amiguinho que o machuca: ele só será capaz de conter o comportamento agressivo a partir dos 4 anos.



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui


Você não pode perder:

Entre no Grupo de Whastapp
100 Planos de Aulas + 100 atividades para Educação Física Escolar
800 atividades para Educação Física


Estímulo infantil na medida certa é desafio Estímulo infantil na medida certa é desafio Reviewed by Dani Souto EF on 07:38 Rating: 5

Curta e Siga em Rede Sociais