quinta-feira, 12 de março de 2015

Faculdades não preparam professor de Educação Física para trabalhar na escola





http://presencial.unipar.br/media/cache/fb/67/fb67668e7d090310a8c4ca3b9960c600.jpg

Professor assistente da Unicamp e pesquisador em Educação Física, o chileno Jorge Gallardo é um dos que advoga um novo papel para a disciplina nas escolas, que seria ainda muito ligada ao lúdico e ao lazer. Segundo Gallardo, a prática de atividades físicas poderia ser muito mais conectada à cultura de um país, estimulando brincadeiras, jogos interativos e até o trabalho voluntário.


Qual a importância da Educação Física na escola?

A Educação Física escolar hoje não leva em conta seu verdadeiro valor, está subordinada às diretrizes da área da saúde. E isso leva a procurar objetivos praticamente impossíveis de se alcançar, como a melhoria da saúde, a diminuição da obesidade, da criminalidade... As causas estão principalmente nas instituições de formação dos profissionais, que preparam o licenciado em Educação Física para trabalhar, principalmente, fora da escola (academias, clubes, etc.); mas não no âmbito do ensino básico. É praticamente impossível atingir êxitos desportivos e de saúde com apenas um encontro semanal de 50 a 60 minutos, com turmas numerosas, 35 a 40 alunos e com uma infraestrutura precária.

Mas o que a disciplina pode trazer de benéfico para o aluno?

O verdadeiro valor da Educação Física escolar ficará em relevo quando ela se transformar em disciplina, ou seja, quando adquirir o mesmo valor das outras matérias do currículo, quando ela criar seu próprio conteúdo e tiver autonomia para aplicá-lo. O corpo de conhecimentos dessa disciplina, segundo o nosso grupo de estudos, são as manifestações da cultura corporal, que devem ser pedagógicas para levá-las para o ambiente escolar: esportes, conhecimentos sobre o corpo, anças, jogos, elementos das artes marciais, ginásticas, elementos das atividades de expressão corporal das artes cênicas, artes circenses, artes musicais e das artes plásticas.

As diretrizes curriculares de Educação Física propostas pelo MEC estão defasadas?

O problema das diretrizes curriculares é que elas ainda procuram o domínio técnico das manifestações da cultura corporal e não o domínio conceitual, que é o onde deveria focar. O domínio técnico exige muito tempo de prática e a aula não tem essa condição, só no espaço extra-aula seria possível. É fora da escola que se encontra a maior riqueza e possibilidades de praticar alguma manifestação cultural que tenha sido vista nas aulas de Educação Física, na forma de vivência. No entanto, esse espaço não pode ser utilizado apenas para a prática dos esportes tradicionais.

Qual a relação entre o voluntariado e a Educação Física? É possível que um estimule o outro?

O grande desafio para a Educação Física no ensino médio é formar agentes socioculturais. Todos os que em algum momento foram técnicos ou professores de alguma modalidade sabem muito bem que os participantes mais avantajados nos auxiliam, assumindo algumas responsabilidades com seus colegas de turma. Capacitar os alunos como agentes socioculturais nos permite a construção de uma cidadania autônoma e participativa. Assumir funções de liderança na escola e na comunidade é transformar o aluno em cidadão soberano, e este deve ser um dos papéis mais importantes da educação física escolar.

Como a cultura e o folclore brasileiro podem ser trabalhados pela Educação Física?

Todas as manifestações da cultura corporal devem ter um espaço nas aulas de Educação Física na escola. Os professores devem pesquisar cada uma das manifestações juntos com os alunos e escolher com quais eles serão analisados e vivenciados. Num pequeno desafio, pense quantos jogos de sua localidade você conhece, ou quantas danças. Mais interessante ainda: as escolas podem ver o mesmo conhecimento, mas o conteúdo ser diferente.

Publicidade

O estímulo aos jogos eleva o desempenho acadêmico dos alunos?

Essa é ainda uma grande questão, já que tudo pode ser visto de forma lúdica e prazerosa e não necessariamente deverá ser um jogo. Para entender melhor o jogo, devemos pensar nos objetivos que estão por trás da atividade. Temos as brincadeiras, que são explorações de uma atividade de forma livre e criativa; temos o jogo consensual, que é uma atividade organizada por normas construídas pelos participantes, as que podem mudar, para adequar-se ao momento e as características do contexto. E finalmente temos os jogos com regras que devem ser assumidas para poder participar.

E qual é a mais importante do ponto de vista acadêmico?

A brincadeira e o jogo consensual são muito mais pedagógicos do que o jogo com regras, já que eles são construídos pelos participantes e adequadas às características do contexto físico e social no qual, nesse momento, o grupo se encontra. Por exemplo, brincar com cordas pode ser um excelente desafio para que os alunos em grupos inventem e criem diferentes brincadeiras, e que depois mostrem suas descobertas aos colegas. Também, pode-se escolher aquelas brincadeiras que sejam mais relevantes para a turma e mostrá-las à comunidade escolar, seja num festival ou evento escolar.

O senhor defende que universidades e escolas brasileiras concedam bolsas de estudo para alunos com bom desempenho em algum esporte, assim como já ocorre nos Estados Unidos? Além disso, o senhor concorda com a necessidade de teste físico no vestibular para Educação Física?

Não concordo com nenhuma das duas. As Universidades devem formar pesquisadores em suas respectivas áreas de atuação, sejam eles professores, engenheiros, advogados, médicos... O professor de Educação Física deve ser um pesquisador das manifestações da cultura corporal de seus alunos e um transformador dessas descobertas em material ou conteúdo para estruturar o currículo escolar. Veja bem, o professor estuda de 3 a 5 anos para se tornar professor pesquisador, com autonomia e poder para transformar seu espaço de intervenção. As escolas não são locais para treinamento, o local do treinamento é o clube ou centro esportivo; a escola deve facilitar o desenvolvimento de todo o potencial do aluno. Mas esse potencial não pode ser somente o esportivo, o artístico também deve ser considerado



Comente:


Você não pode perder:

500 jogos e brincadeiras
Aprenda Planejar Aulas de Educação Física
Atividades Físicas de Alunos Especiais


Popular

Arquivo do blog