sábado, 14 de maio de 2011

Planejamento curricular da Educação Física Escolar




O principal questionamento quando trabalhamos com o planejamento curricular é o seguinte: Como organizar os conteúdos da Educação Física Escolar?

Os professores têm muita dificuldade em estar organizando a sistematização dos conteúdos. Quando trabalhar e com o que trabalhar em cada uma das séries? As demais disciplinas possuem conteúdos sistematizados que indicam claramente o que trabalhar ao longo dos anos escolares, mas a Educação Física não o possui e isso acaba por gerar dúvidas e trabalhos desarticulados e sem seqüência lógica.

Isso é fundamental para qualquer organização curricular que se pretenda. No que diz respeito ao planejamento e sistematização dos conteúdos da Educação Física Escolar tem-se a dúvida: deve atender ao desporto, à linha desenvolvimentista que considera os níveis de desenvolvimento e complexidade das ações motoras, à vertente da cultura corporal ou outra linha de trabalho?

Desprezar qualquer linha de pensamento ou de prática pedagógica, é como estar limitando a ampliação e complexidade das possibilidades pedagógicas que cada uma delas traz implicitamente. Sendo assim, é importante que os docentes se apropriem de todos os conhecimentos possíveis e que, por intermédio deles, elaborem matrizes curriculares a ponto de propiciarem avanços pedagógicos palpáveis e úteis ao momento histórico que esteja vivendo.

Contudo, faz-se necessário entender as limitações tanto pessoais quanto estruturais dos avanços. Isso pode minimizar choques e retrocessos pedagógicos traumáticos para todos que participam do processo educativo.

De acordo com Sacristán (1992, p.312), o professor não atua seguindo modelos formais ou científicos, nem elabora estratégias de intervenção precisas e inequívocas segundo modelos de ensino ou de aprendizagem, nem decide a sua prática a partir de filosofias ou declarações de objetivos, pelo fato de responder pessoalmente, e na medida de suas possibilidades, com diferente grau de comprometimento ético-profissional, às exigências do seu posto de trabalho com um grupo de alunos em condições determinadas. Porém, não podemos concluir que, por isso tudo, é um mal profissional.

Na sua atividade prática, pode aproveitar idéias e teorias científicas, muito embora se trate sempre de uma elaboração pessoal perante situações complexas em que se deveria contar com o tacto, com a experiência e com o saber-fazer, depurados por uma crítica realizada a partir dos valores que guiam a ação e a partir do melhor conhecimento possível da realidade e de como esta poderia ser.

O conhecimento científico e as teorias pedagógicas, são importantes para conhecermos melhor, para nos conscientizarmos das conseqüências e para descobrir, com mais clareza, caminhos alternativos. Porém, em si mesmas, não orientam diretamente a prática docente.



O autor nos aponta, de forma bastante clara, que entendermos o nosso cotidiano, nossas condições e realidade se coloca como ponto central nas possibilidades de avanços na prática pedagógica. A leitura, compreensão e domínio dos conhecimentos e teorias pedagógicas se fazem como base do saber-fazer, entretanto as variáveis das condições locais, estrutura, possibilidades de ações, administração, demais docentes, alunos e tantas outras, impedem, por vezes, a aplicação de novas ações em sua plenitude. Isso deve servir de alerta e, ao mesmo tempo, de reflexão para avanços gradativos e continuados. Neste sentido destacamos também o trabalho de Oliveira (1999) que demonstrou como atuar de forma gradativa na implantação de novas propostas metodológicas e os percalços que o docente vivencia nesta mudança.

Assim colocado, como a Educação Física pode ser pensada e organizada no meio escolar?

O primeiro passo ao qual devemos no dedicar é o de uma visão macro da área. Os Parâmetros Curriculares Nacionais os definem como blocos (a) esportes, jogos, lutas e ginásticas; (b) atividades rítmicas e expressivas e (c) conhecimento sobre o corpo. Porém, entendemos que os conteúdos da Educação Física exigem uma ampliação e redefinição desta sugestão, ou seja, classificamos como núcleos de concentração e procuramos ampliar suas abordagens e propiciar maior complexidade deixando-lhes o movimento humano como objeto de estudo e não apenas modalidades esportivas. Desta forma, os estruturamos como: a) o movimento em descoberta e estruturação; b) o movimento nas manifestações lúdicas e esportivas; c) o movimento em expressão e ritmo e d) o movimento e a saúde onde

a) O movimento em descoberta e estruturação: compreende a fase inicial do movimento humano, ou seja, a descoberta e a vivência exploratória. Os conteúdos relacionados a este núcleo cuidarão de oferecer uma formação suficiente à vivência e ao entendimento do mundo motor de base. A fase de estruturação compreenderá os conhecimentos afetos à reelaboração e adaptação do mundo motor ao atendimento das diversas manifestações construídas e praticadas pelo homem;

b) O movimento nas manifestações lúdicas e esportivas: compreende o estudo da cultura elaborada em relação ao mundo motor. Contemplar o maior número de experiências e vivências dentro do que o homem criou e estruturou no mundo motor é a função básica deste núcleo. A sociedade pode ser demonstrada e estudada por meio dos conteúdos deste núcleo e, o estudo pormenorizado dos conteúdos aqui tratados, poderá contribuir no entendimento maior de como esta se organiza. Os jogos e esportes e suas múltiplas variações são os componentes centrais;

c) O movimento em expressão e ritmo: o corpo e suas possibilidades motoras é muitas vezes esquecido em sua beleza e condição expressiva. Realçar esta faceta de fundamental importância na estruturação biopsicológica de nossos alunos é função deste núcleo. A escola é um dos poucos espaços sociais onde as habilidades artístico-motoras podem ser vivenciadas, exploradas e, assim, contribuir na formação de um sujeito que consiga perceber e entender um pouco melhor a arte, o seu próprio corpo e suas possibilidades. As artes cênicas e a ginástica são os grandes componentes deste núcleo;

d) O movimento e a saúde: o movimento coloca-se como elemento imprescindível às condições básicas de saúde, assim este núcleo deverá abarcar as questões básicas da higiene, saúde e atividade física permanente. Este núcleo, da mesma forma que os demais, é constante em toda a vida escolar do aluno. Ao encerrar o ensino médio, a última etapa da Educação Física curricular obrigatória, o aluno deverá possuir autonomia sobre os conhecimentos relacionados ao corpo, suas condições básicas de higiene e de como se organizar para uma vida saudável fazendo uso dos conhecimentos aqui trabalhados.

A apresentação dos núcleos e suas nomenclaturas deve ter deixado claro que entendemos o objeto de estudo da Educação Física como sendo o movimento humano. Este entendimento é baseado nos estudos fenomenológicos de Merleau Ponty (1994), nos estudos sobre a motricidade humana de Sérgio (1995), e nas propostas de ensino aberto de Hildebrandt e Laging (1986), Grupo de Trabalho Pedagógico (1991) e Gallardo, Oliveira e Araveña (1998).


Comente:


Você não pode perder:

500 jogos e brincadeiras
Aprenda Planejar Aulas de Educação Física
Atividades Físicas de Alunos Especiais


Popular

Arquivo do blog