sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

10 erros mais comuns nas festas escolares





Durante o ano, temos 11 feriados nacionais - na média de um a cada cinco semanas -, um monte de datas para lembrar pessoas (Dia das Mães, dos Pais, das Crianças, do Índio) e fatos históricos (Descobrimento do Brasil, Proclamação da República). Sem contar os acontecimentos de importância regional. Nada contra eles. O problema é que muitas vezes a escola usa o precioso tempo das aulas para organizar comemorações relacionadas a essas efemérides. O aluno é levado a executar tarefas que raramente têm relação com o currículo. Muitos professores acreditam que estão ensinando alguma coisa sobre a questão indígena no Brasil só porque pedem que a turma venha de cocar no dia 19 de abril - o que, obviamente, não funciona do ponto de vista pedagógico. 

Festas são bem-vindas na escola, mas com o simples - e importante - propósito de ser um momento de recreação ou de finalização de um projeto didático. É a oportunidade de compartilhar com os colegas e com os familiares o que os alunos aprenderam (leia mais no quadro abaixo). No entanto, não é isso que se vê por aí. A seguir, os dez principais equívocos dos eventos escolares.

1 - Usar as datas festivas como base para o currículo
2 - Desrespeitar a liberdade religiosa
3 - Confundir o currículo com o tema da festa
4 - Subaproveitar as aulas de Arte
5 - Estereotipar os personagens
6 - Obrigar todos a participar
7 - Não ter uma finalidade certa para os recursos arrecadados
8 - Ter como objetivo principal apenas atrair os pais
9 - Usar as festas como única maneira de socializar a aprendizagem
10 - Jogar tempo fora


Comente:


Você não pode perder:

500 jogos e brincadeiras
Aprenda Planejar Aulas de Educação Física
Atividades Físicas de Alunos Especiais


Popular

Arquivo do blog