sexta-feira, 14 de maio de 2010

12:11

Alunos em forma aprendem mais na escola


Incentivar os alunos a se exercitar não evita somente problemas como a obesidade, mas também melhora o desempenho escolar dos estudantes. Essa é a conclusão de um estudo americano que sugere que os alunos em boa forma tendem a apresentar melhores notas na escola.

Para a pesquisa, uma equipe de especialistas comparou o peso, as medidas e os resultados de um teste físico com as notas de um exame escolar padrão, que incluía matemática, leitura e conhecimentos da língua. Foram analisados 749 estudantes da quinta série, 761 da sétima e 479 da nona, que frequentaram a escola entre 2002 e 2003.

Para determinar a condição física de cada aluno, os responsáveis pela pesquisa pediram que os estudantes corressem o equivalente a 1,6 quilômetro. Com um tempo limite de 15 minutos para completar o teste, os meninos demoraram menos de 10 minutos. Já as meninas, realizaram a tarefa em quase 11 minutos. Ao final do estudo, os pesquisadores descobriram que quase 32% dos estudantes apresentavam sobrepeso e cerca de 28% eram obesso.

Os pesquisadores descobriram ainda que 65% dos estudantes estavam abaixo do padrão físico da idade e do gênero. Comparados com esses alunos, aqueles que responderam ou superaram o padrão apresentaram melhores notas no exame escolar. Diferenças de status social ou econômico, gênero, etnia e tamanho não alteraram de maneira significativa essa associação.

De acordo com o professor William J. McCarthy, coordenador da pesquisa, mais estudos são necessários para avaliar por que o exercício aeróbico pode interferir no desempenho escolar. Caso a relação entre exercício físico e melhores notas seja mesmo comprovada, as escolas precisarão rever o investimento em disciplinas como a educação física e outras formas de incentivar o aluno se exercitar, acredita o professor.

As conclusões do estudo foram publicados na revista especializada The Journal of Pediatrics.

(Com agência Reuters)

quinta-feira, 13 de maio de 2010

07:52

Toda criança precisa fazer algum esporte?


Não. Ela precisa se movimentar para ser saudável. Brincar, correr, jogar bola com os amigos. "Existe diferença entre exercício e atividade física", diz a professora de educação física Silvia Helena Marchi.

O primeiro significa práticas sistematizadas, como as aulas de futebol, natação, etc. A segunda é a brincadeira de bola, com regras e tempo estabelecidos pelas crianças. "Estamos diminuindo as atividades e matriculando cada vez mais cedo as crianças em escolinhas de esporte, com muita regra, cobrança, repetição", diz a professora. O resultado: crianças desmotivadas. Pesquisa da Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Educação Física mostra que um em cada quatro meninos abandona o esporte antes dos 12 anos.

Entre as meninas, esse número é de uma em cada três. Outro fator que leva ao abandono, segundo Silvia, é a exposição maior ao fracasso. A saída: o clássico equilíbrio, porque se movimentar faz bem. Aulas de esporte durante a semana podem continuar.

No final de semana, aproveite e vá jogar bola no parque com a prole. Estudos demonstram que as brincadeiras em família são as práticas esportivas mais motivadoras.

Fonte: Crescer

Quer saber mais sobre o problemas com drogas? Clique aqui!


quinta-feira, 6 de maio de 2010

06:55

Como avaliar na Educação Física


Na Educação Física a avaliação é a chance de verificar se o aluno aprendeu a conhecer o próprio corpo e a valorizar a atividade física como fator de qualidade de vida. Portanto, nada de considerar apenas a freqüência às aulas, o uniforme ou a participação em jogos e competições — nem comparar os que têm "veia" de campeão com os que não têm. Não há uma única fórmula pronta para avaliar, mas é essencial detectar as dificuldades e os progressos dos estudantes. "O mais indicado é não utilizar um só padrão para todos, mas fazer um diagnóstico inicial para poder acompanhar o desenvolvimento de cada um", resume Alexandre Moraes de Mello, diretor da Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Em fichas, a evolução 

Cleverson da Silva, professor do Colégio Estadual Núcleo Social Yvone Pimentel, em Curitiba, sempre verifica a condição física de seus alunos. No começo de 2002 ele notou que Karoline Pialecki, da 6ª série, tinha pouca flexibilidade para a idade e as condições físicas. Silva deu alongamentos em todas as aulas e, em agosto, repetiu o teste (fotos ao lado). A menina tinha evoluído 11 pontos. "Hoje o passatempo dela e das amigas é fazer exercícios na hora do intervalo", diz. Para perceber os avanços de cada aluno, Silva criou fichas em que anota a evolução aula por aula. Outros instrumentos muito úteis são relatórios, dinâmicas, redações e auto-avaliações.

O caminho das pedras

Na Educação Física, como em todas as outras áreas, para avaliar bem é preciso definir os objetivos, pois eles determinam o conteúdo a ser trabalhado e os critérios para observar a evolução da aprendizagem. Exemplos: descobrir o próprio corpo para utilizá-lo melhor em atividades motoras básicas (correr, saltar) ou específicas (passes no basquete ou handebol, chutes no futebol) e compreender e respeitar as regras de um jogo e agir cooperativamente. 

As primeiras aulas funcionam como referência, para que o professor faça a análise inicial da turma, observando e registrando as características de cada estudante. Independentemente de o grupo conhecer ou não a atividade, é preciso explicar, desde o início, os motivos pelos quais ela faz parte do programa, quais os movimentos, as capacidades e as habilidades que serão trabalhados e que aspectos serão avaliados, coletiva e individualmente. "O estudante precisa conhecer quando e como será julgado", explica Caio Martins Costa, consultor na área de Educação Física do Colégio Friburgo, em São Paulo. 

Prazer de ver avançar quem tem pouca aptidão

É comum o professor de Educação Física encher os olhos quando vê alunos habilidosos nos esportes. Alexandre Moraes de Mello propõe olhar também de modo inverso. 

"A criança com pouca vivência motora é a mais importante para o trabalho docente, justamente porque representa um desafio", diz. Com esse tipo de estudante é preciso aplicar métodos adequados para trabalhar suas dificuldades específicas. Mello afirma que agir dessa maneira compensa, pois o prazer de ver o crescimento do estudante não tem preço.

Fonte: Nova escola

Popular

Arquivo do blog