quarta-feira, 29 de março de 2017

07:58

Opções para sua aula de Educação Física

http://www.motherpedia.com.au/images/directoryimages/2476/sports__large.jpg

Começou o ano letivo e a correria que o professor de Educação vive. Não é facil a elaboração de planos de aulas, com atividades diversificadas em cada esporte que a Educação Física exige.

Mas vou te ajudar a resolver esse problema indicando um guia que pode salvar a sua vida de professor de Educação Física na Escola.

São 800 atividades de vários esportes pra aulas de Educação Fisica Escolar. São os principais esportes que são usados nas escolas de todo o país.

Quando pensamos em atividade física escolar, logo vem o esporte na cabeça. recreativas. Não cabe ao nosso objetivo, nesse  texto, abordarmos a importância da educação física nesse período ou quem deve aplicar as aulas, e sim ajudar quem precisa de opções de atividades na Educação Física Escolar quando se trabalha com esportes. Vou repetir: são 800 opções de atividades de educação fisica escolar para aplicação direta!

Depois desse guia, você vai ter opção de atividades de Educação Física Escolar para dar boas aulas.

Boa sorte!

segunda-feira, 27 de março de 2017

07:45

E quando o esporte é apenas uma brincadeira?

http://www.institutopinheiro.org.br/wp-content/uploads/Inicia%C3%A7%C3%A3o-Esportiva-Geral1.jpg

Durante vários momentos da minha vida profissional, tive a dúvida de quando seria o melhor momento para direcionar uma criança para o esporte voltando para o rendimento. Eu deveria esperar  o nível de maturação dela, a série certa ou acreditar que o desempenho em quadra/campo bastava? Sei o que muitos autores pregam, sei o que a maioria acha certo mas e se eu percebesse um fenômeno na minha frente, teria que esperar?

"Cruzei" com um aluno assim há uns 12,13 anos. Ele era um fenômeno. Com 10 anos, jogava vôlei como gente grande, futebol como poucos meninos mais velhos, tinha ótimo posicionamento em quadra, tanto no handebol quanto no voleibol. Ele era muito bom. Os pais eram professores de Educação Física e eram empolgadíssimos com o desempenho dele nas aulas de Educação Física e na escolinha desportiva (eu era professora de educação física na escola e "técnica" na escolinha, após as aulas).

Claro que a escolha por só um esporte era cobrado do menino. O pai queria que ele direcionasse seu talento só para um esporte, seja ele qual fosse. O futebol era o favorito mas não tinha uma pressão grande para a escolha do futebol. A pressão era para escolha do esporte para que ele pudesse seguir, esportivamente, aquele único esporte.

Aquele ano letivo acabou sem que o menino se decidisse. Dia desses o encontrei numa pelada de futebol, por acaso. Arrebentou com o jogo e saiu de campo rindo, como uma criança sai de uma brincadeira.

Ali, eu percebi: para ele, o esporte, o jogo, é apenas isso, uma grande brincadeira!

Até a próxima!

quarta-feira, 22 de março de 2017

06:28

A grande ajuda da Educação Física na inclusão escolar




A Educação Física é uma ferramenta educacional de interação e cooperação, deve ser trabalhado a fim de atender a todos os alunos; desenvolvendo atividades físicas, recreativas e psicomotoras que desenvolvam as habilidades, que socializem as potencialidades individuais. Ela pode significar melhorias para a sua qualidade de vida, por proporcionar prazer e ser entendida como uma prática que não desconsidera sua deficiência e seus limites, mas sim, evidencia a sua eficiência e possibilidades.

Acreditamos que para promover a inclusão na escola, de forma responsável e competente, as atividades da Educação Física escolar devem oferecer e possibilitar condições de auto-segurança. O professor deve sempre se preocupar em elaborar práticas educativas em ambientes (piso, iluminação, sonorização), materiais (textura, tamanho, peso, tempo de uso) e vestimentas apropriadas.

A educação física deve propiciar o desenvolvimento global de seus alunos, ajudar para que o mesmo consiga atingir a adaptação e o equilíbrio que requer suas limitações e ou deficiência; identificar as necessidades e capacidades de cada educando quanto às suas possibilidades de ação e adaptações para o movimento; facilitar sua independência e autonomia, bem como facilitar o processo de inclusão e aceitação em seu grupo social, quando necessário.

Em se tratando de problemas,  as deficiências podem ser: mentais, físicas, visuais ou auditivas isoladas, mas é frequente a deficiência combinada, principalmente quando a causa delas abalou o sistema central, que controla todo mecanismo neuromotor do homem.

É importante o conhecimento de tais problemas, pois, independente da escolha de atuação do profissional da área, haverá sempre a possibilidade de se trabalhar com pessoas que têm deficiência, seja em escolas regulares, academias, clubes, colônias de férias, enfim, em qualquer lugar.



Assim, o professor de Educação Física deve possibilitar ao deficiente físico, atividades que garanta e desenvolva seu auto conhecimento, criando condições para que realize os movimentos conscientemente, não os fazendo mecanicamente, mas sim percebendo como os faz. Devemos tomar muito cuidado para que, tentando acertar, não corramos o risco de cometermos um grande erro, pois não adianta colocar educandos portadores de deficiência em classes regulares achando que assim está incluindo-o na sociedade, sem o adequado suporte de apoio, sem preparação do profissional e sem especial assistência, pois com o intuito de inclusão estaremos excluindo esse indivíduo.

O professor de Educação Física é visto perante aos seus alunos com um símbolo de ações positivas, do que o restante dos outros professores. Devido às atividades propostas com êxito e planejamento atendendo a necessidade da turma, e que levam os alunos a terem uma vivência prazerosa por parte da Educação Física, com atitudes favoráveis à inclusão que ajudam a resolução de problemas e encontram soluções mais facilmente para casos difíceis.

A aula de Educação Física pode favorecer a construção de uma atitude digna e de respeito próprio por parte do deficiente e a convivência com ele pode possibilitar a construção de atitudes de solidariedade, de respeito, de aceitação, sem preconceitos

Portanto, é inquestionável o valor e a importância da disciplina Educação Física, pois é na escola, e no início do processo de estudos, que se pode e se deve adquirir os hábitos saudáveis e formativos da vida, dentre eles a compreensão das diferenças e a adoção da prática de exercícios físicos e/ou esportivos.

Realmente, a área de Educação Física para alunos especiais está em franco crescimento. E é preciso se especializar, saber características de implantação, como formular aulas e ter atividades que despertem interesse do aluno e desenvolva seu potencial.

Então, vou te indicar dois e-books:

1 - Atividades Físicas de Alunos Especiais: Com este e-book deseja-se oferecer subsídios para as tomadas de decisões no que se refere à política do trabalho de inclusão junto às escolas, indicar mecanismos de preparação de professores de Educação Física que atuam na área, quanto à melhoria da prática escolar, e oferecer indicadores para as propostas curriculares nos planos das instituições e a dinâmica dos professores em seu processo ensino/aprendizagem principalmente na Educação Física Escolar.

Imagem inline 1

2 - Aulas de Educação Física para Alunos Especiais - Foi elaborado para orientar e colaborar com professores e acadêmicos de Educação Física no processo de inclusão dos alunos especiais nas Aulas do Ensino Regular e, também nas Instituições Especializadas, o Ebook contém além da história da inclusão, muitas atividades físicas e esportes para alunos especiais.

Imagem inline 1

Com certeza, com esses dois e-books, o enriquecimento no conteúdo específico vai ser enorme. Boa sorte!

segunda-feira, 20 de março de 2017

05:52

Futsal é uma ótima atividade para a Escola



O futsal atualmente é uma das modalidades mais populares entre as crianças, seja por sua similaridade com o Futebol ou por ser de grande facilidade encontrar um espaço para o jogo.

Os benefícios da prática do futsal engloba o fortalecimento dos músculos, ampliação da resistência e da capacidade anaeróbica, melhoria na coordenação motora, desenvolvimento de habilidades, convívio social, respeito às regras e aos outros, saber ganhar, perder, oportunizar a descontração e aperfeiçoamento.

Veja 100 atividades para ensino do Futsal

Produz o entendimento do valor educacional do esporte, possibilitando o entendimento enquanto forma de representação que o sujeito tem produzido historicamente no mundo e exteriorado pela expressão corporal e melhoria de habilidades; propiciando atividades motoras, cognitivas e sociais orientadas por uma planificação com critérios metodológicos adequados a cada faixa etária do desenvolvimento humano; proporcionando um melhoramento das relações interpessoais e socializá-los, dentro  dessa  comunidade  tão  carente  de  recursos  físicos, financeiros, educacionais, estruturais e outros.

Não é difícil flagrar um grupo de alunos chutando uma bola no pátio da escola no intervalo das aulas.  Portanto, a escola é um ambiente onde os alunos vivenciam diversas experiências e as mesmas favorecem para sua formação não somente profissional, mas também para uma relação com a sociedade, e é neste ponto que a relação interpessoal se entrelaça com o âmbito escolar.

Sabe-se que a Educação Física possui um grande papel na melhora do desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo, porém, além desses possui outro objetivo, que é de formar alunos capazes da integração no meio social e do exercício da cidadania.

A iniciação da atividade de futsal na escola se torna cada vez mais difundidas porque estimula a discussão sobre os motivos que levam os alunos a praticarem a atividade. Apresenta e discute vivencias das regras fundamentais para a sua prática, oportuniza aos alunos a vivência do esporte e interesses dos elementos fundamentais, considerando a variabilidade na forma de execução e a compreensão da função destes fundamentos dentro do desdobramento do jogo propriamente dito. O professor deve trabalhar o Futsal de maneira Lúdica fomentando a união do grupo sem desvincular da prática esportiva

Por esses motivos, o futsal é uma ótima atividade para o professor trabalhar na escola.

quarta-feira, 15 de março de 2017

07:56

Atletismo como esporte na escola



Uma pergunta rápida e simples: vc usa as modalidades de atletismo na sua aula? Eu não estou falando dos elementos, o correr, saltar, arremessar.. A pergunta se refere ao Atletismo como esporte. Há aulas de como se fazer o salto triplo ou um arremesso correto de acordo com as regras do arremesso do atletismo?

A maioria das escolas, principalmente, as escolas da rede pública, não possui espaço suficiente para a prática do atletismo como esporte. Nota-se ainda que, outras modalidades esportivas têm como material, apenas a bola para jogar e são esportes coletivos.Além disso, os esportes coletivos com bola geralmente despertam maior interesse dos alunos do que o Atletismo como atividade.

É importante  mediar o conhecimento, e a forma como é dado a modalidade de Atletismo na Escola, pois o aluno o interpreta da forma que seja mais interessante para ele ou não.  Como são esportes mais individuais, a forma tem que ser mais lúdica com  brincadeiras de pega-pega, pular corda, pular mais alto que se pode, cabo de guerra, correr mais rápido em várias direções, acertar o cabo de vassoura dentro do saco, e outras que o professor tem que adaptar e inventar para ser prazerosa a educação física.

Para maior importância podemos afirmar que, para praticar, precisamos do próprio corpo. O atletismo se desenvolve sem grandes instrumentos, podendo na maioria das provas usar somente o próprio corpo. As formas tradicionalmente conhecidas do Atletismo, como correr, saltar e arremessar, devem servir de base para as transformações didático-pedagógicas.  Ele é um esporte que desenvolve qualidades fundamentais para a criança, podendo desenvolver o esporte sob a forma de jogo para que desperte mais interesse nos alunos.

O uso de materiais alternativos permite o trabalho de todas as modalidades do atletismo na escola, por exemplo: o uso de bolas para praticar arremesso de peso; podem ser feitos obstáculos com garrafas PET para simular corridas com obstáculos; é possível enrolar uma cartolina de modo a imitar um dardo para esse tipo de arremesso.

Toda criança adora correr, saltar, dançar e brincar. Basta observar os pequenos nos horários de recreio escolar, nos parques, nas praças, nos clubes e nas praias. É claro que toda essa atividade faz muito bem para eles.

Acredito que o Atletismo pode ter uma significância maior nas aulas de educação física escolar pois é  um esporte muito pouco difundido no âmbito escolar e tão pouco interessante para os alunos. Por ser um esporte que visa muito o rendimento, acaba deixando de lado a parte mais importante que a criança tem que desenvolver, como a ludicidade que é o uso da imaginação da criança através das brincadeiras, fazendo com que a criança viaje nas brincadeiras e fique mais solta durante a execução da atividade. E, isso acaba levando o desinteresse do aluno.

Evitar esse desinteresse deve ser nosso objetivo!

terça-feira, 14 de março de 2017

11:35

3 atividades para ensino do Voleibol


Uma das modalidades esportivas tradicionais nas aulas de Educação Física, incluída no planejamento de muitos professores, é vôlei. A maioria dos alunos se interessa pelas aulas de voleibol, conhece os movimentos básicos (saque, toque, cortada, bloqueio e manchete) e se organiza com facilidade para jogar, inclusive fora do ambiente escolar.

Conheça várias aulas de Voleibol que ensinam fundamentos e sistemas táticos.

Então, abaixo tem três jogos que ajudam no desenvolvimento do jogo de voleibol.

Minivôlei

Reúna dois ou três estudantes em um espaço amplo, mas menor que a quadra esportiva da escola. A ideia é explorar os movimentos do esporte, inclusive saques e cortadas. Garanta que os meninos joguem com as meninas e cuide também para que a composição dos grupos mude com o passar do tempo da atividade a fim de que todos se ajudem, dando dicas aos colegas e corrigindo ou aperfeiçoando os movimentos deles. O perímetro reduzido do minivôlei contribui para que a garotada desenvolva a consciência sobre os movimentos desse esporte. Além disso, cada aluno pode participar com frequência das jogadas, pois a atividade é desenvolvida com grupos pequenos. Combine as regras com os jovens: algumas podem ser copiadas do jogo oficial, como a obrigatoriedade de passar a bola a um colega depois de dar um toque. Outras podem ser criadas pela própria turma ao longo da vivência. Por exemplo, dar uma cortada somente depois da terceira jogada consecutiva.

Jogo de câmbio

É hora de a moçada entrar em quadra, mas o objetivo não é realizar uma partida de verdade. O foco dessa atividade é a experimentação dos diferentes papéis que os jogadores têm, considerando que ocupam posições e espaços diversos. Divida os estudantes em dois grupos de seis e peça que eles ocupem lados opostos da rede. Estabeleça que de tempos em tempos será realizado um rodízio - tal como ocorre nas partidas oficiais. Quem estiver sacando ora ocupa a posição de defesa, na rede, ora faz as vezes de atacante. Essa é uma ótima chance para os alunos se conscientizarem do espaço da quadra pelo que são responsáveis estando em determinada posição. É interessante aqui retomar os vídeos assistidos no início do trabalho para que a garotada relembre o modo como cada profissional faz isso. Vale ainda conversar sobre o que foi aprendido durante a atividade de minivôlei, valorizando os jeitos de realizar e recepcionar a bola em cada um dos movimentos típicos do esporte.

Vôlei em outros espaços

Sugira jogos em ambientes diferentes da quadra da escola - pode ser na grama, na areia ou no chão de terra batida. O foco da proposta é a turma experimentar como a mudança do piso interfere no jogo e refletir sobre isso. Oriente os alunos a observar se é mais difícil saltar na grama ou no cimento e a analisar como cada um impacta as jogadas. Essa atividade é um bom gancho para a moçada se aproximar de uma variação do vôlei que também faz sucesso no Brasil, a modalidade praia. Para isso, além de variar o terreno, é interessante organizar a classe em duplas e propor que uma jogue contra a outra, separadas pela rede. Explique algumas regras específicas. Além de os atletas ficarem descalços, por exemplo, é permitido a eles invadir a rede por baixo desde que isso não prejudique a dupla adversária. Interrompa a prática em momentos específicos para problematizar algumas questões, como a rapidez que esse tipo de jogo exige, já que é disputado em duplas.

Tenha 100 atividades de Voleibol para as suas aulas por menos de R$ 15,00. 

Até o próximo post!

sábado, 11 de março de 2017

09:44

Esporte na Escola x Esporte da Escola: atenção, professor!



Sem dúvida alguma, o esporte é o conteúdo mais difundido nas aulas de Educação Física nas escolas.  O oferecimento de atividades esportivas pela escola possibilita aos alunos experimentar diferentes modalidades. A ênfase do esporte na escola não deveria estar no rendimento profissional, mas na parte lúdica e recreativa. Isso possibilita a crianças e adolescentes interagir, compartilhar momentos de socialização e cooperação e construir atitudes de respeito, companheirismo e solidariedade.

Porém, em muitos lugares, a prática do esporte é tão significativa no sistema de ensino escolar que deixou de ser o esporte da escola, para ser o esporte na escola, como se a Educação Física fosse subordinada aos princípios do esporte. Assim, a relação entre professor e aluno passou a ser uma relação de professor-treinador e aluno-atleta. É importante que os alunos, com a prática de esportes, aprenderem não apenas a competir: Aprenderem ainda que para ser o primeiro, continuar nas competições e ter um bom rendimento é preciso ter metas, responsabilidade, força de vontade e interesse.

Para o professor, é importante ter aulas motivadoras e que chamem atenção do aluno. Um bom recurso é ter  aulas em videos de esportes que ensinam fundamentos e momentos do jogo para treinamento. Um professor não precisa ser especialista em basquete para dar aula sobre o assunto. Mas ter dicas sobre como fazer um melhor arremesso pode facilitar bem o processo.

O esporte na escola passou a assumir os princípios da instituição esportiva, dando maior valor a competição, concorrência e rendimento, ao assumir estes, a escola tornou-se a base da pirâmide esportiva. Não que a competição não tenha seu valor, o problema está nos excessos que muitas vezes a competição leva.

Esses excessos, dependendo do objetivo que a escola tem com a educação física é preciso ser combatido pelo professor. O desporto não possui nenhuma virtude mágica. Ele não é em si mesmo nem socializante nem anti-socializante. Ele é aquilo que se fizer dele. A prática de judô ou râguebi pode formar tanto patifes como homens perfeitos preocupados com o "fair-play".

Atenção, professores!

segunda-feira, 6 de março de 2017

08:11

5 aulas para Educação Física Escolar




É sempre um grande desafio para o professor de Educação Física ter atividades dentro de um plano de aula que motivem os seus alunos. Então, para facilitar o trabalho do professor, colocarei abaixo 5 aulas que podem ser utilizadas ara diferentes idades:

Aula 1:

Breve explicação do termo brincadeira, termo jogo cooperativo e do termo Esporte.
1 brincadeira: Roda gigante dos números e suas varições (sentados em roda o professor enumera as crianças e da inicio a atividade. O de trás tenta pegar oda frente)
2 Jogo cooperativo: Jogo dos iguais. (juntar duplas ou trios de acordo com suas igualdades)
3 brincadeira: Gavião e o pintinho (enfileirados o gavião com a bola tenta pegar o pintinho no fim da fila)
Roda de fechamento da aula: retorno aos conceitos de brincadeiras, jogos cooperativos e esporte. Levar os alunos para lavarem as mãos, tomar água e retornarem para a sala.

Aula 2:

Roda de iniciação da aula: rever o conteúdo da aula anterior, mais uma explicação do termo brincadeira e jogo cooperativo.
1 Jogo cooperativo: cabo de guerra (definição do conceito e aplicação)
2 Brincadeira: nó humano (dois grupos, juntos separar-se)
3 Jogo cooperativo: Carangueijobol (futebol de caranguejo, duas ou mais equipes)
Roda de fechamento da aula: retorno aos conceitos de brincadeiras, jogos e iniciação ao esporte e retorno aos conteúdos trabalhos durante as brincadeiras e os jogos. Levar os alunos para lavarem as mãos, tomar água e retornarem para a sala.

Aula 3:

Roda de iniciação e discussão acerca do foi realizado na aula anterior. Discutir o conceito de alongamento, respiração muscular, jogos cooperativos e brincadeiras.

1 atividade: Porta aberta (em roda um aluno fica fora e tenta entrar dizendo³porta aberta´ batendo nas costas de outro aluno, ambos correm em volta docírculo e tentam achar uma entrada)
2 ± Zig-zag debaixo das pernas
3 ± bola por cima e bola por baixo e suas variações (iniciação ao esporte)
Encerramento da aula com perguntas acerca do que fora realizado e retomada dos conceitos, jogos, brincadeiras e esporte. Levar os alunos para lavarem as mãos, tomar água e retornarem para a sala.

Aula 4:

1 ± quebra gelo para saber os nomes deles (semelhantes ao feito na aulateste)
2 ± Explicação do conceito de Esporte, suas classificações quanto a esporteolímpico e não olímpico.
3 ± mostrar alguns materiais que serão utilizados nas aulas: bola, cone ebambolê.
4 ± Atividade com a bola: conhecer o material e manuseá-la com diferentespartes do corpo. Quais esportes utilizam a bola
5 ± atividade com o bambolê: explorar o material, realizar a corrente dobambolê, pula-pula com o bambolê. Explicar qual esporte usa-se o bambolê.
6 ± Atividade com o cone: Explorar o material, correr em Zig-Zag pelos cones edepois realizar o Zig-Zag entre as pernas dos alunos.Explicação do motivo dessas atividades e sua relação com o esporte.
7 -Alongamento e relaxamento. Roda de fechamento da aula, levar os alunospara lavarem as mãos e retornarem a aula.

Aula 5:

Explicar os objetivos dessa aula. Questionar sobre o conceito de esporte e seus valores. Tema futebol e tática.
1 ± aquecimento. Chute ao gol ( nessa atividade o professor pedirá para que os alunos se dividam em dois ou três grupos para iniciarem uma rodada de chute ao gol, o professor pedirá para que eles chutem com as duas pernas, em cima baixo, etc.)
2 ± gol no Pneu (os alunos deverão fazer gol usando o Pneu como sendo o gol)
3 ± Jogadas ensaiadas (o professor pedirá para que eles repitam uma das duas jogadas ensaiadas aprendidas na aula anterior, caso eles não se lembrem ele ajudará a recordar).
4 ± alongamento e relaxamento
5 ± Questionamentos acerca do que é o fenômeno futebol como um todo, sobre as táticas, regras da modalidade e perguntar sobre o futebol de areia.
6 ± Ensinar as regras do futebol de areia e como funciona.
7 ± atividade de fundamento do futebol de areia (passe por baixo)
8 ± Encerrar a aula e realizar questionamentos acerca do que foi trabalhado. Pedir aos alunos que pesquisem sobre o basquetebol feminino para a próxima aula. Lavar as mãos e retornar para a sala de aula.

São apenas exemplos para serem utilizados. Se você quiser mais aulas em formato de plano de aulas para educação física organizados por modalidades e tipos de atividades, não pode deixar de conhecer o TOP 100 Educação Física Escolar.

Até a próxima!

Popular

Arquivo do blog