quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Espaços da escolas a serem utilizados pela Educação Física




http://1.bp.blogspot.com/-3bki6IrdSkU/TqA9DA0IZYI/AAAAAAAAAGk/0bbuOswruxM/s1600/SDC15953.JPG

Apesar da diversidade de formas de utilização do tempo da educação física, Caparroz (2001) e Bracht e Almeida (2003) afirmam que ainda há uma cultura social de que as aulas de educação física são basicamente um tempo e espaço escolar vinculado ao fenômeno esportivo, o que se justifica, pois alguns professores ainda utilizam o esporte como conteúdo central e referência de movimento em suas aulas. Diante desta cultura, o professor de educação física escolar ainda é vinculado por outros professores, servidores e a direção da escola às atividades que utilizam em suas aulas, ou seja, o professor de educação física se torna o professor de futebol ou professor de ginástica.

A utilização do tempo, espaços e materiais nas aulas de educação física visando à participação de todos os alunos dependerá da realidade de cada unidade escolar, baseada em muitos fatores, como o planejamento das aulas, a criatividade na elaboração de atividades, a colaboração na utilização de espaços comuns, dentre outros fatores

    A educação física escolar, que segundo Cachorro (2003), pertence à escola e pelo ambiente escolar se define e se realiza, necessita de espaços que proporcionem o suporte necessário para esta atividade. Os espaços mais comumente utilizados para realização das atividades da educação física escolar são as quadras, pátios, ginásios, mas há outros espaços e dependências da escola poderiam ser utilizadas pela educação física.

    Com a utilização de novos espaços para as atividades da educação física seriam ampliados para além dos espaços que foram reservados na arquitetura escolar e principalmente na cultura escolar. Concordando com a possibilidade de utilização de diversos espaços Viñao Frago (1998) aponta que a alteração na utilização do lugar, modifica sua natureza cultural e educativa, sendo assim os professores e os alunos devem se "educar" no sentido de definirem a utilização dos espaços, haverá uma transformação quanto à funcionalidade daquele espaço (Hildebrand-Stramann, 2001).

    A determinação dos espaços escolares pela educação física é clara em algumas escolas e se restringe a espaços culturalmente determinados pela associação às modalidades esportivas como as quadras, ginásios, piscinas, pistas de corrida esportivas, mas ao utilizar outros espaços e recursos, o professor de educação física pode ampliar a visão do aluno sobre esta relação espaço/atividades/materiais, aumentando também o conhecimento sobre as possibilidades das aulas de educação física.

    Dentre alguns exemplos das possibilidades de utilização do espaço para as aulas de educação física, diferente dos habituais, a sala de projeção para apresentação de vídeos sobre eventos esportivos ou reportagens sobre atividade física. Estas exposições posteriormente poderiam gerar discussões ou debates mediados pelo professor, além de reflexões sobre a prática da atividade, aplicação das regras, etc. A lanchonete pode desencadear uma aula sobre alimentação saudável, ou mesmo a relação entre o gasto calórico em uma atividade física, dentre outros temas.

    Outra possibilidade para as aulas de educação física seria utilização da biblioteca, a qual poderia ser mais explorada para pesquisas orientadas sobre temas relacionados à educação física, o auditório que muitas vezes é utilizado somente para apresentação de danças e teatro, poderia ser aproveitado para apresentação dos trabalhos e seminários. As áreas externas da escola, como quadras, praças e parques também são uma possibilidade de espaço, onde durante a aula de educação física o professor pode orientar os alunos sobre a utilização destes espaços para atividade física, esportiva e de lazer.

    Os passeios que são realizados pela escola, que muitas vezes são meramente recreativos, poderiam ser uma possibilidade de atividade relacionada às propostas das aulas de educação física. Para isto, o professor de educação física poderia propor assistir a eventos esportivos e em suas aulas discutir regras, tática ou mesmo propor atividades relacionadas ao evento. Outra possibilidade seria uma caminhada em uma cachoeira ou parque, onde o professor orientaria sobre as especificidades desta atividade, bem como poderia incluir orientações de preservação do meio ambiente. Este passeio pode se tornar uma atividade multidisciplinar, onde o professor de ciências/biologia ao longo da caminhada explicaria dados sobre a flora e fauna locais, o professor de geografia explicaria dados sobre o relevo, dentre outros aspectos.

    A utilização de outros espaços, que muitas vezes fogem a rotina das aulas de educação física, deveria ser explorada não apenas em momentos que a quadra está indisponível como nos dias de chuva ou em horários em que o sol é inadequado para utilizar a quadra, mas sim como parte de um repertório de possibilidades de locais e atividades que ampliaria muito a visão atual das aulas de educação física.

    A falta ou a inadequação dos espaços, ou a dificuldade em adequar a atividade proposta e espaço disponível podem reduzir a qualidade das aulas de educação física (Rodrigues e Darido, 2008). Sendo este, mais um aspecto a ser levado em conta pelo professor ao planejar as aulas de educação física, minimizando a possibilidade de redução da qualidade de suas aulas. Outro fator preocupante em relação ao espaço escolar é a depredação, que ocorre principalmente nas escolas públicas. Quanto a este problema, o professor de educação física poderá desenvolver atitudes de preservação como parte das suas aulas, pois faz parte da cultura dos jovens a utilização dos espaços para atividade física, jogos e esporte (Julia, 2001) e ensiná-los a melhor utilizar e preservar este local pode minimizar as dificuldades de acesso aos locais para práticas esportivas e de lazer.

    Soares (1998) apontam como dificuldade para as aulas de educação física escolar o fato de ter suas aulas colocadas em horários convenientes para outras disciplinas e não de acordo com as necessidades específicas desta atividade. Este autor também destaca que a não integração da educação física no momento do planejamento, discussão e avaliação do trabalho pedagógico que acontece em algumas escolas, gera um distanciamento do professor de educação física da equipe pedagógica da escola. Apesar das dificuldades, Souza (1998) e Vago (1999) destacam que as aulas de educação física devem participar ativamente da cultura escolar, não apenas como tempo para recreação ou esporte e recriar as práticas corporais existente, reforçando assim a possibilidade destas aulas se constituírem em um espaço maior na cultura escolar.

    Farias Filho e Vago (2001) apontam que para que o professor de educação física possa desenvolver com excelência sua prática pedagógica, se tornam necessárias condições de trabalho adequadas, pois a falta de local e materiais disponíveis para realização das atividades é um dos fatores que podem interferir, modificar e até prejudicar o planejamento e a execução das atividades propostas, por outro lado esta escassez de materiais e locais pode estimular a criatividade do professor na elaboração das suas aulas.

Retirado daqui


Comente:


Você não pode perder:

500 jogos e brincadeiras
Aprenda Planejar Aulas de Educação Física
Atividades Físicas de Alunos Especiais


Popular

Arquivo do blog