quarta-feira, 15 de julho de 2009

08:12

Escolas deverão ter quadras cobertas


A comprovação da existência de área coberta, destinada à prática de Educação Física, esportes e recreação, passará a ser obrigatória para o credenciamento de escolas de educação básica. Assim determina o Projeto de Lei do Senado (PLS) 395/08, de autoria da senadora Fátima Cleide (PT-RO), aprovado no dia 12 de maio deste ano, em decisão terminativa, pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE).

Ao celebrar a aprovação da proposta, Fátima salientou que "a Educação Física é uma matéria obrigatória e a sua sala de aula é a quadra esportiva, que muitas escolas não têm".

Para o professor de Educação Física e tutor do Portal Educação, Diesi Souza Ventura, essa foi mais uma vitória conquistada pelos profissionais da área da saúde, que dedicam seu tempo e esforço para criar aulas que possam melhorar o comportamento motor das crianças. "Os profissionais de Educação Física e nossas crianças ficam expostos a possibilidade de contrair doenças por exposição ao sol e, felizmente, nosso senado deliberou sobre o assunto", ressalta.

No estado de Mato Grosso do Sul, por exemplo, muitas escolas estaduais já têm suas quadras cobertas. No início do ano, o governador André Puccinelli disse estudar a possibilidade de, até 2010, todas as escolas estaduais contarem com quadras cobertas.


Fonte: Assessoria de Imprensa - Portal Educação

sábado, 4 de julho de 2009

19:06

Crianças pequenas já estão sujeitas a estresse pós-traumático, diz estudo


Um estudo realizado na Grã-Bretanha sugere que o estresse pós-traumático pode atingir crianças com idades precoces de até dois anos de idade. 

A pesquisa, da universidade King's College, em Londres, analisou 114 crianças que haviam sido expostas a acidentes de trânsito na Grã-Bretanha e descobriu que uma em cada dez sofria de ansiedade contínua após o incidente. 

Apesar de o nível ser parecido ao de adultos, a maioria das crianças acaba não sendo diagnosticada e tratada, segundo os especialistas.

Uma das razões para a falta de conhecimento sobre este tipo de estresse em crianças pequenas é a dificuldade de se chegar a diagnósticos psiquiátricos por causa das dificuldades de comunicação. A habilidade lingüística em crianças pequenas ainda está em fase de desenvolvimento, o que dificulta a expressão de sentimentos e experiências. 

Além disso, os métodos usados pelos médicos para detectar e medir o estresse pós-traumático foram criados para pacientes adultos.

Técnica apropriada

Os pesquisadores utilizaram uma técnica mais apropriada para crianças pequenas, em que os pais reportam como seus filhos estão reagindo a um incidente. 

Todas as 114 crianças entre dois e 10 anos de idade analisadas na pesquisa haviam passado por pronto-socorros em Londres após acidentes de trânsito. 

Entre as crianças avaliadas, metade estava em um carro envolvido em acidente de trânsito, enquanto as outras eram pedestres ou ciclistas atropeladas por veículos. Todas haviam sofrido ferimentos leves. 

As crianças foram avaliadas no mês seguinte ao acidente e também após seis meses, e mais de 10% delas apresentaram sintomas relacionados ao estresse pós-traumático. 

Essas crianças tinham pesadelos e dificuldade para dormir, apresentavam comportamentos como evitar entrar em carros ou andar em ruas movimentadas e foram descritas pelos pais como "nervosas" e "agitadas". 

"Nossas descobertas indicam que as necessidades de saúde mental de crianças em idade pré-escolar que vivenciam eventos assustadores devem ser consideradas pelos pais e serviços de saúde", disse o chefe da pesquisa, Richard Meister-Stedman. 

"Isso é especialmente importante, pois crianças pequenas não podem acessar sozinhas os serviços de saúde e se encontram em um momento vulnerável de seu desenvolvimento."

"É preciso estudar mais como o estresse pós-traumático em crianças pequenas deveria ser tratado e como pais podem melhor ajudar seus filhos após um trauma.'

Segundo o professor David Cottrell, psiquiatra de crianças e adolescentes na Universidade de Leeds, "infelizmente, crianças passam por várias experiências traumáticas".

"No entanto, é importante lembrar que a grande maioria das crianças não desenvolverá sintomas e não precisará de nenhuma intervenção após um incidente traumático", disse Cottrell. "As crianças são bastante resistentes e freqüentemente pais e parentes próximos são a melhor terapia." 

A pesquisa foi publicada na revista científica American Journal of Psychiatry

quinta-feira, 2 de julho de 2009

14:27

Kung Fu faz parte da Educação Física Escolar


Os alunos do 4º ano da rede municipal aprendem a cada dia uma modalidade nova nas aulas de Educação Física. Nessa manhã (29) as crianças da EMEF Prof.ª Antônia Ribeiro da Silva, no Jd. Califórnia, aprenderam técnicas de Kung Fu.

A aula, com atletas da Associação Long Teh, integrou o projeto 'Esportes em Caraguá`. Nos treinamentos realizados, os estudantes aprendem noções básicas de esportes como canoagem, voo livre e bicicross.

Para a professora de Educação Física e idealizadora do projeto, Rosemary dos Santos, o objetivo é levar o conhecimento dessas modalidades aos alunos, que desconhecem a maior parte desses esportes.

As aulas acontecem desde o início do ano letivo, com cerca de 65 alunos, entre 9 e 11 anos. No fim de 2009 as crianças promoverão uma mostra, aberta aos pais e à comunidade, com fotos e apresentações.

- Sobre o Kung Fu:

Milenar arte marcial chinesa, o Kung Fu consiste em movimentos leves e precisos, inspirados na natureza e nos animais. Além das lutas com mãos livres, utiliza ainda armas como facão, lança e espada.

Mais informações na Associação Long Teh. (12) 3881-2079

Popular

Arquivo do blog