segunda-feira, 30 de setembro de 2019

04:48

A introdução de Lutas na Educação Física Escolar



A escola é para muitos o primeiro contato com o mundo exterior ao convívio restrito a família. E é nela onde inicia-se o primeiro contato com as brincadeiras e jogos em grupo. Entretanto alguns personagens que fazem o dia-a-dia escolar como, por exemplo, professores, pais, gestores, funcionários, alunos, entre outros. Atuar com lutas e artes marciais dentro da escola como parte do currículo um primeiro momento pode assustar, visto que é um tema pouco abordado e confundido muitas vezes com violência.

A meta do trabalho na escola não é fazer a garotada lutar seguindo à risca as regras pertinentes a cada prática. O importante mesmo é garantir uma diversidade de propostas de atividades - combinando pesquisa, conhecimento de regras e, é claro, muito movimento.

Ao proporcionar essas vivências diversas, o docente permite à garotada conhecer novas possibilidades de movimentos, o que contribui para que a memória corporal da turma ganhe outros elementos, diferentes dos tradicionalmente realizados em jogos, como o futebol.

Na prática, isso quer dizer elaborar aulas que explorem habilidades motoras e capacidades físicas que envolvam os seguintes aspectos: força, flexibilidade, equilíbrio e desequilíbrio, agilidade e corrida ou saltos. Esses são os elementos básicos para qualquer luta. Sendo assim, vale convidar os estudantes para experimentar um desafio de queda de braço ou para uma briga de dedão, em que os oponentes dão as mãos, mantendo os polegares levantados e, com o braço apoiado em uma mesa, tentar abaixar o dedão um do outro, por exemplo. O importante é levá-los a compreender quão fundamental é, em ambos os casos, empregar a força para vencer ao mesmo tempo em que é fundamental não se descuidar do equilíbrio. Sem se esquecer também de deixar claro que violência e deslealdade são alvos de punição.

Há muitas outras atividades que você pode propor aos alunos para trabalhar as habilidades exigidas pelas lutas. É possível, inclusive, inventar algumas e convidar os alunos a fazer o mesmo.

As que privilegiam o equilíbrio são as que têm como desafio manter o corpo estável mesmo diante de quedas e de tentativas de deslocamento do adversário. Práticas que exigem força devem fazer com que a musculatura vença a resistência para realizar algum movimento, como empurrar, elevar, apertar e segurar. Atividades que envolvem agilidade ou rapidez são as que pedem capacidade de deslocamento, tempo de reação curto entre o estímulo recebido e o movimento realizado. Já as que têm como foco a flexibilidade exigem movimentos amplos que atinjam maior amplitude articular para sustentar algumas posturas, como as de chutes.

Para treinar a força, por exemplo, a turma pode praticar o cabo de guerra e, para o equilíbrio, vivenciar atividades que exijam ficar em uma perna só e ao mesmo tempo derrubar o adversário com algum tipo de golpe.

Ao combinar exercícios que exigem diferentes capacidades físicas, como força e elasticidade, e outras habilidades motoras, como correr, rastejar e pular, você ajuda os alunos a aprofundar seus conhecimentos sobre o próprio corpo e a respeito dos movimentos que são capazes de fazer. E contribui para o desenvolvimento do processo de aceitação da disputa como um elemento das competições, e não como uma atitude de rivalidade frente aos colegas.

A luta na escola tem por objetivo, não só a preparação técnica dos alunos, mas também trabalhar de uma forma pedagógica por uma visão holística, adaptada aos moldes de uma educação ocidental.

Para as crianças a prática de lutas na escola contribuem para:

Controle muscular;
Aperfeiçoamento do reflexo;
Desenvolvimento do raciocínio;
Equilíbrio mental;
Reforço do caráter e da moral;
Fortalecimento da auto-confiança;
Respeito aos companheiros.

Aos jovens, as lutas propiciam:

Cuidar beneficamente do físico e do caráter;
A transformação da disciplina;
O equilíbrio mental;
Tratar o semelhante com respeito e humildade;
Torná-lo útil à sociedade.

As crianças e os jovens necessitam experiências para dominar situações novas, evitando inibições, entraves no desenvolvimento e alterações degenerativas nos neurônios cerebrais.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

10:28

Dança na Escola - com plano de aula!




Dançar é uma das maneiras mais divertidas e adequadas para ensinar, na prática, todo o potencial de expressão do corpo humano. Enquanto mexem o tronco, as pernas e os braços, os alunos aprendem sobre o desenvolvimento físico. Introduzir a dança na escola equivale a um tipo de alfabetização. "É um ótimo recurso para desenvolver uma linguagem diferente da fala e da escrita, aumentar a sociabilidade do grupo e quebrar a timidez. 

Dança na escola não é a arte do espetáculo, é educação através da arte. A dança tem suma importância para alcançar os objetivos da Educação, um deles sendo o desenvolvimento dos aspectos afetivo e social, portanto esta prática propicia ao aluno grandes mudanças internas e externas, no que se refere ao seu comportamento, na forma de se expressar e pensar.

Por volta dos 10 anos, a criança sedentária pode apresentar encurtamento de alguns músculos, o que provoca tensão. Esse estado tira o corpo da postura vertical, fundamental para que os sentidos (visão, audição etc.) funcionem bem e para manter a concentração inclusive nas aulas. Fique atento: nos garotos, as evidências mais comuns do encurtamento dos músculos são o corpo jogado para trás, a coluna curvada ao sentar e as pernas abertas quando estão parados em pé. Já nas meninas, um corpo mal-educado se revela pelo abdome saliente, o bumbum empinado para trás e os ombros contraídos. Em ambos, pescoço tenso, coluna pouco ereta e desinteresse por esportes são motivos para deixar pais e educadores alertas. Passos de dança e o alongamento contribuem para evitar a tensão.

Exemplo de plano de aula usando o filme "Vem dançar"

Introdução
O protagonista desta história, vivido pelo ator espanhol Antonio Banderas, é um dançarino de salão profissional na cidade de Nova York que dá aulas de dança como voluntário numa escola pública. Lá ele enfrenta a resistência dos alunos, amantes do hip-hop. Desse embate, surgem novas formas de expressão. Para a professora Joice Mayumi Nozaki, da EMEF Professor Mario Marques de Oliveira, na capital paulista, além de trabalhar a questão técnica, o filme é interessante para quebrar o receio que a dança causa. "Os alunos podem ver que é possível se abrir para novos conhecimentos e para a criação nessa área."

Objetivo
Compreender a dança como atividade física e ampliar as possibilidades de criação nessa área.

Conteúdos
Elementos básicos da dança e variações rítmicas.

Trechos selecionados
Quando o professor vê um aluno quebrando o carro da diretora, ele propõe fazer um trabalho com os alunos suspensos (25m59s a 31m30s). Trecho em que ele apresenta aos alunos a sua proposta, sugerindo que as dificuldades impostas pela realidade do cotidiano dentro e fora da escola podem ser superadas e eles "contraatacam" com seu hip-hop (32m12s a 31m30s).

Atividade
Exiba as cenas e peça que reflitam se é possível identificar no filme elementos relacionados à expressão corporal já trabalhados nas aulas. Pergunte também se os jovens mostrados no filme têm dificuldade com a dança e se as atitudes dos alunos do filme são parecidas com a da turma. Peça então para àqueles que já conhecem dança que demonstrem o que sabem e estimule que os outros repitam.

Avaliação
Analisar as relações estabelecidas pelos alunos entre as cenas do filme e as aulas de Educação Física e avaliar o interesse deles segundo a participação na atividade de dança.

Professora Joice Mayumi Nozaki - professora da EMEF Professor Mario Marques de Oliveira

segunda-feira, 29 de julho de 2019

07:24

Educação Física no Ensino Fundamental



Segundo a Lei de Diretrizes e Bases (LDB): "A educação física integrada a proposta pedagógica da escola é componente curricular da educação básica que corresponde aos níveis de ensino infantil, ensino fundamental e ensino médio, ajustando-se às faixas etárias e as condições da população escolar, sendo facultativa nos cursos noturnos" (BRASIL, 1996).

De acordo com a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da educação) a organização do ensino no Brasil deve ser dividida nas seguintes etapas, são elas:

  • Educação Infantil – creches (de 0 a 3 anos) É gratuita, mas não obrigatória. E pré-escolas (de 4 e 5 anos) – gratuita.

  • Ensino Fundamental – anos iniciais (do 1º ao 5º ano) e anos finais (do 6º ao 9º ano) – É obrigatório e gratuito.

  • Ensino Médio – O antigo 2º grau (do 1º ao 3º ano).

  • Ensino Superior

O Ensino Fundamental I compreende o 1º ano (antigo CA) até o 5º ano (antiga 4ª série). A faixa etária dos alunos vai de 6 anos até aproximadamente 10 anos. Não levando em consideração a distorção série idade.

É nesta faixa etária que acontecem diversas transformações no desenvolvimento infantil, por isso, os estímulos devem ser constantes, o "novo" deve ser sempre inserido no cotidiano da criança para que ela aprenda a lidar com as situações do dia-a-dia e a vencer os obstáculos que surgirão. Além disso, o "corpo físico" também deve ser educado. "Tudo o que tem influência na conduta e na personalidade é Educação" (CONFEF, 2006).

As melhores atividades para as quatro séries iniciais

Quando chegam à escola, as crianças trazem algum conhecimento sobre o corpo e o movimento. Se puderam conviver e brincar com amigos e irmãos ou explorar diversos espaços, elas já conhecem muitos jogos e brincadeiras. Mas, mesmo com pouca experiências desse tipo, elas podem viver, na escola, novas situações de desafios corporais. Veja o que se espera do aluno e algumas sugestões para facilitar  seu trabalho:

No primeiro ciclo

Conhecer seus limites e possibilidades para estabelecer as próprias metas.
Compreender, valorizar e saber usufruir as diferentes manifestações culturais.
Organizar jogos, brincadeiras e outras atividades lúdicas.

No segundo ciclo

Nas atividades corporais, respeitar o desempenho do colega, sem discriminações de nenhuma natureza.
Manter o respeito mútuo, a dignidade e a solidariedade em situações lúdicas e esportivas, resolvendo conflitos de forma pacífica.
Saber que organizar jogos e brincadeiras é um modo de usufruir o tempo disponível.
Conhecer seus limites e possibilidades para controlar atividades corporais com autonomia, entendendo que esta é uma maneira de manter a saúde.
Analisar os padrões de estética, beleza e saúde como parte da cultura que os produz e criticar o consumismo.
Entender as diferentes manifestações da cultura corporal sem discriminação nem preconceito, valorizando e participando delas.

Dicas

Todas as crianças aprendem, com a família, com amigos ou pela televisão, jogos ou brincadeiras que envolvem movimentos. Durante as aulas de Educação Física, crie oportunidades para que elas possam compartilhar essas experiências com os colegas.
Debata com os estudantes como os meios de comunicação apresentam tais padrões e peça relacionem os tipos físicos exibidos nas propagandas com o consumo de produtos.
Mostre um vídeo ou leve seus alunos para assistir a uma apresentação de dança, de capoeira ou a um jogo de futebol. Eles poderão observar a beleza dos movimentos e avaliar as técnicas empregadas. É importante que percebam as várias opções de atividades corporais e a diversidade de manifestações.

Tenha um Guia para mudar suas aulas para Ensino Fundamental II


Este E-book contém mais de 100 sugestões de jogos e atividades que você poderá utilizar em suas aulas de Educação Física Escolar. Clique aqui e saiba mais!
07:14

Tenha atividades na volta às aulas de Educação Física Escolar




A gente sabe que ter atividades diversificadas na volta das aulas é uma das granes preocupações dos professores de Educação Física que trabalham com Educação Física Escolar.

O planejamento precisa estar "redondo" para que os alunos estejam sempre motivados para nossas aulas. E ter na mão atividades para várias idades e momentos pode ajudar sim nesse planejamento.

Para facilitar a vida de profissionais que estão sem tempo ou que precisam de novas ideias para suas aulas, eu indico o guia "Jogos e Atividades para Educação Física Escolar". Mas Dani, por que você indica esse e não outros? Porque esse guia é feito por um professor que eu acompanho nas redes sociais e tem todo o cuidado na execução das atividades. Ele é muito bom e por isso eu indico esse guia.

Todas as atividades são de forma lúdica, possuindo objetivos das atividades e podendo ser adaptada de forma que você consiga trabalhar com qualquer idade e também buscar alcançar os seus objetivos.

Então, na volta às aulas, não passe aperto. O custo x benefício é excelente e o tempo poupado que você terá compensará o seu investimento. Clique aqui e saiba mais sobre o guia!

Até a próxima!


quinta-feira, 4 de julho de 2019

10:19

Jogos e Atividades para Educação Física Escolar


Nesta apostila você irá encontrar diversos jogos e atividades para serem desenvolvidas na Educação Física Escolar ou também para outros meios recreativos;

Todas as atividades são de forma lúdica, possuindo objetivos das atividades e podendo ser adaptada de forma que você consiga trabalhar com qualquer idade e também buscar alcançar os seus objetivos.

Caso tenha qualquer dúvida sobre o material, você poderá entrar em contato via e-mail (que estará em meu perfil e abaixo do produto) e eu enviarei a você exemplos e também esclareço qualquer dúvida a respeito do material.

O material é constituído por atividades encontradas na internet e de outros materiais; assisto vídeos e descrevo as atividades em e-book, e também adapto muitas atividades minhas e estou disponibilizando aqui neste material.

Não perca a chance de ter esse ótimo material, com conteúdo excelente!

Clique na imagem abaixo e tenha todas as informações!

http://3.bp.blogspot.com/--bh4hD7vuuw/WVY7EkgsDuI/AAAAAAAAUOM/ZrE5-avG0xYykRcbMBOEDFJey9NZ4XRLQCK4BGAYYCw/s1600/inscreva-se-no-curso.jpg

Mais informações sobre o Produto:


Qualquer dúvida, é só mandar um email para queroconteudo@gmail.com
Acesse outros produtos desta mesma categoria.

quarta-feira, 26 de junho de 2019

11:42

Objetivos da Educação Física Escolar + 4 atividades



A Educação Física tem uma vantagem educacional que poucas disciplinas têm: o poder de adequação do conteúdo ao grupo social em que será trabalhada. Esse fato permite uma liberdade de trabalho, bem como uma liberdade de avaliação – do grupo e do indivíduo – por parte do professor, que pode ser bastante benéfica ao processo geral educacional do aluno.

O objetivo da educação física deve ser a organização da motricidade da criança, por meio de um programa educacional que atenda a seus interesses, buscando a harmonia entre as necessidades individuais e do grupo, por meio de atividades lúdicas, desenvolvendo a consciência corporal, de espaço e tempo. Dessa forma, a criança poderá ser capaz de realizar movimentos considerados fundamentais, como a manipulação, a locomoção, a estabilização, entre outros.

Objetivos gerais

Dizem respeito ao desenvolvimento da criança como um todo, não apenas no que se refere à atividade física, mas, desde aspectos do aprendizado na escola, até questões do convívio social. São eles:

 
Obter desenvolvimento corporal harmônico (físico- mental)
Adquirir controle corporal;
Desenvolver a habilidade motora;
Condicionar os sistemas orgânicos a suprir demandas diárias e de emergência;
Assumir a responsabilidade do seu próprio bem-estar;
Desenvolver a habilidade de utilização do movimento como instrumento de comunicação e expressão;
Utilizar sadiamente as horas de lazer;
Adquirir comportamentos e valores referentes ao ajustamento pessoal e social;
Desenvolver atitudes favoráveis à atividade física.

Objetivos específicos

Aqui estão listados os objetivos que a educação física terá, especificamente, sobre aspectos ligados ao desenvolvimento físico da criança, influenciando, diretamente, os objetivos gerais. São eles:

No início da educação infantil, é importante proporcionar o maior número possível de experiências à criança

Quanto ao esquema corpora

Reconhecer as possibilidades sinestésicas do corpo, por meio de movimentos que o afetam, como uma totalidade;
Reconhecer o corpo, no seu todo, e diferenciar cada uma de suas partes, por meio do movimento;
Realizar movimentos independentes e interdependentes, como os diversos segmentos do corpo;
Definir sua dominância lateral.
Quanto à orientação espaço-temporal
Orientar-se no espaço, discriminando localização, direção e dimensão;
Movimentar-se, discriminando diferentes momentos do tempo, seu curso regular e seu fracionamento;
Identificar e efetuar movimentos, discriminando as diferentes velocidades e trajetórias, no deslocamento do corpo e dos objetos.

Quanto às qualidades físicas

Estruturar movimentos que requeiram coordenação geral e seletiva;
Equilibrar-se em diferentes situações, com ou sem deslocamento, controlando sua postura;
Melhorar seu desempenho na execução de atividades que requeiram força, resistência, flexibilidade, agilidade e velocidade;
Adquirir controle progressivo dos movimentos que evidenciem os graus de tensão muscular.

Quanto à expressão corporal

Representar, com movimentos corporais, elementos e objetivos do meio circundante;
Reproduzir, com movimentos corporais, posturas e comportamentos de animais e de pessoas;
Movimentar-se, adaptando-se a diferentes ritmos;
Expressar-se, compondo a movimentação com um companheiro ou com o grupo;
Criar sua própria sequência de movimentos em atividades de respostas livres, vivenciando pensamentos e sentimentos;
Dramatizar, por meio do movimento, fatos, histórias e fantasias;
Conhecer e executar formas de expressões tradicionais do nosso povo e de outros povos.

Quanto à recreação

Participar de jogos e brinquedos cantados, dramatizações e mímicas;
Cooperar nas atividades de grupos, aceitando diversos papéis;
Utilizar, nos movimentos de lazer, habilidades motoras adquiridas;
Desenvolver habilidade de modificar jogos e atividades para atender aos problemas surgidos, em relação ao espaço, material e tempo disponíveis.

Agora tem as 4 atividades:

Agarre a bola

Agarre a bola é uma atividade que une todos os aspectos competitivos e atléticos de uma atividade de Educação Física mas é projetada especificamente para a sala de aula. Os professores adoram este jogo porque os alunos devem permanecer completamente focados.

Já os alunos adoram porque eles ficam sentados em suas carteiras e se divertem na sala de aula. Este jogo permite que os alunos pratiquem seu foco, objetivo e precisão. Quando a bola é atirada para um aluno, ele deve pegá-la e jogá-la para outro aluno que está sentado.

Se o apanhador soltar a bola, ele está fora. Se o lançador joga a bola muito alta ou muito longe para um aluno pegá-lo, ele está fora. Os alunos que estão fora devem se sentar em uma cadeira e permanecer em silêncio. O vencedor é o último aluno sentado em uma carteira.

Quatro cantos

Outro jogo que funciona bem em uma sala de aula ou numa quadra é chamado de quatro cantos. Para brincar, o professor e os alunos numeram os cantos da sala de aula. Uma pessoa, geralmente o professor, conta a partir de 30, e um aluno fica no meio da sala de aula com os olhos fechados.

Enquanto o professor conta, todos os alunos, exceto o do meio, caminham até um dos cantos e ficam lá esperando.

Quando o professor para de contar e cada aluno está em um canto, a pessoa no meio chama um número e abre os olhos. Alunos de pé naquele canto devem retornar às suas mesas e sentar-se. Continue a jogar até que uma pessoa permaneça de pé.

Charadas Animais

Um jogo ativo voltado para crianças mais novas é o charadas de animais, também conhecido como "Que tipo de animal você é?" Esta atividade encoraja os alunos a usar a imaginação e o corpo tentando se mover como certos animais.

Este jogo pode ser jogado de várias maneiras diferentes. Você pode colocar música e se mover como animais diferentes ou um grupo ou selecionar um aluno para representar um animal enquanto o restante dos alunos tenta adivinhar qual é.

O líder diz

Um jogo clássico que funciona bem em quadras e salas de aula. O líder diz pode ser jogado sem adereços ou equipamentos. Neste jogo, uma pessoa – geralmente o professor – é responsável por dar comandos de movimento que os alunos seguem.

Você deve se mover somente quando o professor diz "O líder diz" antes da instrução. Se você se mover quando o professor não diz, você está fora e deve retornar ao seu lugar. É recomendado transformar essa atividade em um jogo com exercícios.

Para fazer isso, dê comandos como "O líder diz para dar 10 pulos" ou "O líder diz para fazer cinco flexões".

MAIS ATIVIDADES PARA PLANO DE AULA

ENSINO MÉDIO E FUNDAMENTAL II: JOGOS E ATIVIDADES  - Este E-book contém mais de 100 sugestões de jogos e atividades que você poderá utilizar em suas aulas de Educação Física Escolar. Clique aqui e saiba mais!

sexta-feira, 21 de junho de 2019

05:46

Atenção à Escoliose Infantil na Escola



A má postura e o próprio estirão de crescimento são as principais causas da escoliose na coluna na infância. O sobrepeso, também cada vez mais frequente nas crianças, também é um fator de risco para a escoliose porque muda o centro de gravidade do corpo, forçando a curvatura da coluna. Resta aos pais ficarem atentos aos hábitos alimentares e verificar qual é a postura da criança ao se sentar, ao carregar peso e se há queixas frequentes de dores nas costas. O professor de Educação Física na Escola também pode ajudar neste processo de identificação e encaminhamento para o melhor tratamento.

A identificação do problema ainda na infância e de forma precoce é fundamental para que o desvio seja revertido e a criança volte a ter a coluna alinhada. Quando a escoliose não é estrutural a coluna ainda possui flexibilidade para restaurar sua condição. Já quando ela passa a ser estrutural significa que as articulações já sofreram um severo desgaste e, nestes casos, não há cura.

Quando houver suspeita de escoliose é importante que a criança passe por uma minuciosa avaliação médica, com a observação da parte estética e de exames de imagem. Só assim será possível iniciar um tratamento que seja adequado ao quadro clínico da criança e alcance os resultados esperados. Uma das formas de tratamento que pode ser utilizado é a Reeducação Postural Global, a RPG. Essa técnica restaura toda a morfologia da coluna porque diminui a rigidez e libera as articulações. Uma grande vantagem desta terapia é tratar o corpo de forma global, como o próprio nome diz. Para isso, é feito um trabalho de consciência corporal para que o(a) paciente aprimore seu autoconhecimento e incorpore mudanças de atitude no dia a dia que vão potencializar os princípios adquiridos durante as sessões de RPG.

Outra forma de atuação é o Pilates. O Pilates é um ótimo Método para a reabilitação da Escoliose, pois ele age sobre o controle da postura e possui movimentos projetados que permitem que os praticantes mantenham a posição neutra da coluna vertebral. Desta forma, ele minimiza os movimentos musculares desnecessários, prevenindo a fadiga precoce e melhorando a estabilidade corporal.

Praticando o método Pilates, a criança adquire vários benefícios como a flexibilidade, o alinhamento postural e a coordenação motora, além de aumentar a força muscular que tem uma relação direta com o processo de reeducação postural.

O Pilates oferece uma grande variedade de exercícios, inteiramente adaptáveis às necessidades de todos os públicos, incluindo crianças. Mas como a técnica possui como um de seus princípios a concentração máxima do aluno, crianças muito pequenas, que não conseguem obviamente se concentrar por completo, não devem praticar os exercícios. Com um ganho um pouco mais da capacidade de foco, a técnica pode ser liberada para o público infantil, garantindo uma vasta quantidade de benefícios através do grande repertório de movimentos possíveis.

Curso sobre Pilates na Escoliose

Os benefícios da prática do Pilates ao paciente com escoliose são variados, mas o conhecimento prévio de algumas características da patologia é indispensável. Nesse curso sobre Pilates na Escoliose, você vai aprender o que é, como avaliar e como tratar um paciente com escoliose através do método Pilates. Clique aqui e saiba mais!

segunda-feira, 20 de maio de 2019

07:02

Deficiência Física Neuromotora





Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir, sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas (Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, 2007)

O termo neuromotora reporta-se às deficiências ocasionadas por lesões nos centros e vias nervosas que comandam os músculos. Podem ser causadas por infeções ou por lesões ocorridas em qualquer fase da vida da pessoa ou por uma degeneração neuromusculares cujas manifestações exteriores consistem em fraqueza muscular, paralisia ou falta de coordenação.

Dentre os principais quadros motores apresentados pela pessoa com algum tipo de deficiência física, torna-se difícil encontrar uma classificação que inclua todos os possíveis distúrbios motores. Sendo assim, elencamos os quadros neuromotores de maior incidência em alunos matriculados na Educação Básica e Educação de Jovens Adultos que requerem um apoio mais intenso.
    • Lesão cerebral (paralisia cerebral ou deficiência neuromotora)
    • Lesão medular (paraplegia/tetraplegias)
    • Deficiências neuromusculares - Miopatias (distrofias musculares)
O estudante que apresenta este tipo de deficiência requer um ambiente escolar organizado e adequado à suas necessidades, para que o mesmo tenha acesso ao currículo, eliminando as barreiras que o impedem de exercer seu direito a educação. Possuem a garantia por lei um professor/a especializado/a (Professor de Apoio à Comunicação Alternativa- PAC), que atua no contexto da sala de aula, nos estabelecimentos de Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos que vai auxiliar no trabalho de mediação da comunicação entre o estudante e grupo social e no processo de ensino e aprendizagem que é diferente do convencional. Também possuem a garantia por lei de um funcionário/a operacional que vai auxiliar no ambiente escolar, mas fora do ambiente da sala de aula.

quinta-feira, 2 de maio de 2019

11:04

Iniciação ao Jogo de Futebol



A coordenação óculo pedal é muito importante para a iniciação do futebol e esse é o tema do post de hoje.

Nesse tema, é importante desenvolver a dissociação dos movimentos, trabalhar os movimentos com os pés a fim de estabelecer a precisão e atuar em diferentes grupos e respeitar os colegas.

Abaixo segue a sugestão de uma atividade que dura 50 minutos

Nesta aula faremos uma abordagem de inclusão ao jogo de futebol. Em nossas aulas de educação física escolar devemos contextualizar todos os temas e, o futebol para alguns alunos não se mostra atraente, sendo muitas vezes excludente. Nesta aula apresentaremos algumas atividades que podem facilitar a inclusão dos alunos.

Nessa aula utilizaremos materiais alternativos para dar um tratamento ao jogo com bola.

Materiais: barbante, bexiga (balão de ar), bola de futsal, cones pequenos.

ATIVIDADE 1 - Atividades com Bexigas

Cada aluno receberá um pedaço de barbante e uma bexiga. Deverá encher o balão de ar, amarrá-lo ao barbante e prender o barbante no tornozelo.

Divida a turma em 4 times. Cada aluno deverá deslocar-se por um espaço pré determinado levando a bola presa ao pé sempre na frente do corpo, sem estourá-la.

Além do aluno controlar a sua bola ele deverá desviar de outros alunos para que a sua bola não estoure com facilidade.

Dica - A critério do(a) professor(a) esta atividade pode ser transformada em um mini conteste, por exemplo: organize 4 colunas onde os alunos deverão correr até um ponto determinado, voltar (controlando a sua bola) e, tocar na mão do colega do seu grupo que dará prosseguimento a atividade. O grupo que terminar em primeiro sem estourar nenhuma bola ganha o jogo.

ATIVIDADE 2 -  Boliche com os pés:

Professor, separe diversos cones pequenos e coloque-os na linha que divide a quadra no meio.

O objetivo deste jogo é que os alunos derrubem os cones chutando a bola de futsal neles.

Divida a turma em 4 times. Irão jogar 2 times por vez. Cada time terá uma área pré determinada limitando de onde podem chutar a bola. Um time começará com todas as bolas e terá sua vez de chutar. As bolas passarão para o outro lado da quadra, consequentemente para o outro time, assim determinando a vez do outro time de chutar.

Ganha o time que derrubar mais cones. Fica a critério do professor quantas vezes cada time poderá chutar.

Dica:

1 - Peça para que todos chutem ao mesmo tempo. Deixem que eles se organizem, mas caso isso não ocorra, o professor pode dar o comando de quando chutar;

2 - Poderão ser utilizados cones com as letras do alfabeto ou numéricos e assim, poderá ser solicitado que os alunos formem pequenas palavras ou sequência numérica;

3 - Professor, solicite que os alunos deem sugestões para incorporar esta atividade.

ATIVIDADE 3 - Futebol de duplas.



Professor, divida a turma em 4 equipes. Dentro de cada time, os alunos deverão formar duplas.

Peça que as duplas deem as mãos. Eles participarão do jogo de futebol onde os alunos estarão em duplas e só poderão tocar na bola enquanto estiverem de mãos dadas. Caso eles soltem as mãos, será considerado "falta". Na verdade essa atividade não determinará um gol, mas o(a) professor(a) poderá formar equipes que se enfrentarão com a marcação de gol pequeno inicialmente ocupando o espaço de meia quadra e, posteriormente, a quadra inteira.

DICA - Professor, esta é uma atividade recreativa para socializar os alunos com o tema futebol. Pode ser em duplas, em trincas, de acordo com sua avaliação e a organização dos alunos.

ATIVIDADE 4 - PEBOLIM HUMANO

Professor, esta atividade é associada ao jogo de pebolim (conhecido como jogo de totó em algumas localidades). Organize duas equipes mistas, onde os alunos deverão formar grupos de: defesa, meio campo e ataque e, cada formação dessa não pode andar para frente, nem para trás, apenas para os lados (assim como no jogo de pebolim).

DICA 1 - Professor, para esta atividade os alunos podem dar as mãos; podem ser utilizadas cordas para cada posição (os alunos representantes de cada posição deverão segurar numa corda para não se soltarem)

DICA 2 - Lembre-os que o objetivo é evitar gol e fazer gol na outra equipe, mas que cada equipe deverá organizar a sua estratégia.

DICA3 - Professor, realize um rodízio nas posições do pebolim para que os alunos vivenciem todas as posições do jogo.

FINALIZANDO A AULA

Professor, ao final da aula realize um debate e avalie, juntamente com os alunos, a forma que o futebol foi abordado nesta aula; se todos os alunos se sentiram incluídos nas atividades e, que outras formas podem ser desenvolvidas para trabalhar com o tema futebol.

Quer mais ideias para a sua aula de Futebol na Educação Física Escolar? Tenha atividades para a sua aula de Futebol. Conheça o TOP 100 Futebol clicando na imagem abaixo.

image.png

Popular

Arquivo do blog